CTN sedia lançamento do livro ‘Rua Vergueiro, 63’ do escritor Humberto Mendes

20/11/2019 - 20:26 - Notícias, Sala de Imprensa




Livro retrata história de vida do autor baiano e pensão que abrigou nordestinos da década de 50

O escritor e publicitário Humberto Mendes lança no dia 24 de novembro (domingo), no Centro de Tradições Nordestinas, seu novo livro “Rua Vergueiro, 63”. O autor baiano que também é membro da Federação Nacional das Agências de Propaganda (FENAPRO) chega a sua oitava obra, compartilhando as experiências vividas na pensão que abrigava diversos nordestinos na década de 1950 no bairro da Liberdade.       

O livro que tem por subtítulo “A pensão da Liberdade – ou uma casa de trabalhadores nordestinos em São Paulo na década de 1950” traz o olhar de Humberto sobre as diferentes narrativas do processo migratório de nordestinos para São Paulo sob as personagens que ali viveram e o quanto isso reflete a construção demográfica da maior cidade do Brasil.

“Nada mais justo fazer o lançamento desse livro nesse espaço que celebra as tradições nordestinas e a importância desse povo para nossa cidade”, afirma Humberto. O lançamento é aberto ao público e vai acontecer na Vila do Forró do CTN, às 14h, com a presença do autor e convidados. O livro é publicado pela Editora WI.  

Que é Humberto Mendes  

Humberto Mendes veio da Bahia para São Paulo aos 17 anos

Baiano de Itabuna, veio para São Paulo interior, ainda menino. Aos 17 anos deixou a pequena cidade do interior, para tentar a vida na capital.

Entrou para o exército e pediu baixa antes de completar o tempo regulamentar, principalmente porque não tinha vocação para a carreira militar. Voltou para a cidade de São Paulo, viveu mais de duzentos dias como morador de rua e nessa escola da vida aprendeu tudo ou quase tudo sobre o amor ao próximo e o comportamento humano. 

Conseguiu entrar numa boa gráfica onde aprendeu quase tudo sobre a arte de Gutemberg, inventor da impressão tipográfica, mudou-se para uma pensão onde escrevia as cartas e alfabetizava muitos daqueles conterrâneos que vinham para São Paulo analfabetos, mas honestos ao extremo, éticos e grandes trabalhadores. Com os conhecimentos de arte gráfica, fez carreira na propaganda. Trabalhou em grandes agências de propaganda, Editora Abril, Manchete, Visão. Foi diretor de marketing da Fundação Bienal de São Paulo, Associação Brasileira de Agências de Publicidade e atualmente é vice-presidente executivo da Federação Nacional de Agências de Propaganda.


Voltar para Notícias